sexta-feira, 21 de março de 2014

felicidade? É também isto


Gosto de ouvir chover de noite, deitada na cama. Em lençois acabados de mudar.
Do cheiro da terra molhada assentando a poeira. E ouvir o marulhar na praia norte, de madrugada.
Gosto de passear no mercado e escolher fruta, legumes e flores. Rosas amarelas, vermelhas ou brancas. De saborear a romã, bago a bago. E cerejas. E mangas. Ir para a cozinha e cozinhar.
Gosto de pão quente com manteiga, de tapioca e flocos de aveia nas noites solitárias de inverno. De chá de gengibre, sofá e manta. Um livro. E adormecer como criança.
Gosto de filme de amor, escutar vozes bonitas, ver dançar o meu caçula. Da escrita da minha princesa. Das noites longas de conversa amena, das tardes de sábado e domingos de manhã soalheiros.
Gosto de ouvir a minha irmã rindo e da protecção do mano Zé. De lulas recheadas em noite de aniversário. Dos Natais em famíla e da hora dos presentes. E quando a lareira se acende e o calor me aquece a pele.
Gosto dos longos dias de fim de primavera e da liberdade de andar na rua e à beira-mar. Na maré baixa, apanhar conchinhas. Sentar na areia e esperar o anoitecer olhando os barcos a navegar. Observar o voo das gaivotas e o seu poisar no areal.
Gosto de andar em viagem. Do caminho para chegar. Da beleza da paisagem e da cor. Da história de cada lugar. Do silêncio e da paz santa das igrejas, dos sinos nas torres e da água correndo nas fontes, cascatas, quedas de água. Da mulher vestida de noiva, do sim e da marcha nupcial.
Gosto de ouvir " Aubrey " a recordar palavras de quem ma dedicou. Sorrir à lembrança feliz da declaração mais espiritual que recebi. E agradecer a quem fez dizendo que gostava tanto mas tanto de mim que achava que me amava. Recapitular uma pequena estória de amor que não aconteceu e que me aproxima do divino.
Gosto de chegar a Trás-os-Montes e abraçar os que amo. E sentar-me à mesa a sentir o cheiro das estevas e os silêncios dos dias que não correm. Ou correm devagar. E gosto de sonhar poemas por rimar, que surgem na minha mente feitos de memórias e futuros, livros por compilar.
E também gosto de ficar em casa junto da minha gatinha Pitanga a escrever sem pressão ou obrigação. E de encontrar os amigos, sair com eles e gargalhar.
Correr ao encontro das imagens de luz que quem quiser poderá apreciar.
Gosto de passar a minha vida a pente fino e imaginar-me a voar. Partir com um destino. E feliz, chegar à terra-mãe.
Felicidade? Para mim, é isto.

2 comentários:

apenas umas letras disse...

Olá. bem disposta? A Maria Clara é uma romântica incurável, com grandes valores e com muito amor pela família e amigos. Sabe apreciar as coisas belas da vida, até as coisas simples da vida e que muitas vezes, muitas pessoas não dão a devida importância. beijos , um abraço e um bom fim de semana

Maria Clara disse...

bom fim de semana. beijos