segunda-feira, 30 de novembro de 2015

a Amizade é um caminho

Essa coisa a que se chama Amizade não é mais que uma empatia com o outro. 
Porque a simetria existe, reconhecemo-la. E queremo-la viva. Continuada. Espelhada.
Então alimentamo-la. Como a flor, regamo-la. Acarinhamos. Esperamos que desabroche e, nos, se, alegre.
Não precisa estar sempre presente. Precisamos antes, dela cuidar com mais atenção, na distância. Dando contudo tempo e espaço para se alicerçar. Se cimentar. Para respirar.
Presente ou ausente da forma mais simples, buscando em nós aquilo que somos ou tentamos ter de forma pura e honesta. Usando respeito e protecção. Amor e admiração. 
Partilha.
E porque Amizade é o inverso de cobrança, nunca por necessidade.
Afinal essa coisa a que chamam amizade é uma planta. Mais que uma flor. É trepadeira florindo aqui e acolá ao longo dos tempos. Agarrada ao chão, se eleva e envolve. 
Se expande em busca de espaço para ( se ) enfeitar e brilhar. Viver-se. E é parede, muro, varanda. Caminho. Viagem.
Sim, essa coisa a que chamam Amizade mais que uma auto-estrada, é um caminho...

m.c.s.

entre beijos

Nasce virgem, a manhã
Serena e soalheira - perfeita...
Sem voz nem cheiro
Nem futuro, nem passado,
Nem nada...
Como se apenas hoje se inventasse 
na madrugada
Nascem sonhos e vontades
Rosas por entre os espinhos
Anjos adormecem saudades 
E asas ganham caminhos...
E nasce em mim o desejo
De mergulhar neste dia
Mesmo que dure só um beijo
Pouco mais que uma fantasia
Nasce do chão a flor
Insano ensejo cresce em mim
De feliz parir o amor
Num parto voluntário e sem dor
Entre beijos de carmim
Nasce virgem a manhã...

m.c.s.

eclipse

O que é um eclipse?
São os astros a jogarem à bola.

Na esquindiva...
m.c.s.

amar o amor

Nunca de mim alguém disse,
que me amava eternamente
Nem que fosse sem pensar
Nem que fosse sem o sentir
Nem que fosse por me amar,
nesse instante somente...
Um dia, a sorrir
Quero ouvir a confissão 
d' um amor de verdade
Que me tatue o coração
e me apague a saudade
desse momento tão belo
Sonhado enquanto espero
enquanto choro
enquanto rio e suspiro
e me adormeço e desperto
nesse apelo singelo
Nunca de mim alguém dirá
Que não amo nem amarei
Nem que seja p' ra lembrar
Nem que seja p'ra esquecer
Porque sabe como eu sei
Que o meu ser só quer amar
E dar sentido ao meu viver.

m.c.s.

para os gastos

Se cada coração que bate, amar, nem que seja uma vez na vida, o Mundo far-se-à de Amor. 
Digo eu que tenho fé. Mas questiono.
O que foi feito do tanto que eu já amei?
Onde está essa sementeira? 
Dá para os gastos ( caseiros ) e pouco mais. Responde a pessimista que há em mim.

m.c.s.

tempo

Não ter passado é não ter futuro.
É não ter escolha.

m.c.s.

pés de barro

Não me mintas, por favor. 
Depois da mentira não há verdade em que eu acredite.
Não me mintas, por favor.
Ela tem perna curta e eu sou um bom detector de mentiras. 
Tenho a intuição a meu favor. 
E o " faro " próprio da verdade que abracei. Ao longo dos anos.
Quando finjo que acredito, já estou a desprezar-te, pessoa duvidosa, mentirosa. Falsa. Traidora.
Não me mintas, por favor. 
Se o fizeres, nunca terei admiração por ti, mesmo se o mundo se curvar a teus pés. 
Serás um anjo com pés de barro.


m.c.s.

dádiva

O que me dá, o sábado? 
O sonho embrulhado de saudade.
O sonho alcançando futuros.
O sonho respirando a lucidez. Do presente.
Porque amo o sábado?
Porque me oferece, ser, uma sonhadora do tempo.

m.c.s.

o perdão

Perguntam-me como sou capaz de perdoar. 
O perdão é nobre. Próprio de patamares elevados. 
Mas também preguiça para parar no tempo. Marcá-lo e aprisioná-lo. 
Pode ser ambição. Não estar como o outro, amarrada ao mesmo sentimento pequeno. Não ficar no lugar comum.
Pode ser esperança. De me soltar da raiva, ressentimento e correntes. 
Pode ser libertação. O perdão não mais é que libertação.
Se consigo ser livre sou capaz de me perdoar e ao outro dar o perdão. 
Perguntam-me como sou capaz de perdoar.
Preguiça? Ambição, esperança, libertação?! 
Acrescento o egoísmo. Se não o fizer sou a pior lesada. 
Quero-me de bem comigo. Apaziguada.
Tal qual me sinto neste momento. Livre. 

ser-te

Antes ser-te que ter-te,
meu amor que não confesso
se te amo 
ou se te quero...
Que ter-te é coisa louca
De somenos
De ideia pouca
Não é desejo
Nem é pedido
Tão pouco, sentir profundo
Ser-te é o milagre
De quem ama, de verdade
De quem se entrega
como se fora,
como se desse, 
o próprio mundo.

m.c.s.

sobre o amor

O Amor não me acontece.
Eu é que faço o Amor acontecer...

m.c.s.

solitariamente

Quando a solidão converte o só em solitário, é difícil dividir silêncios. 
Digo eu, que encontro a paz entre os meus eus; e sei que vale ouro.

m.c.s.

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

fotografia

Da minha janela, vejo o  Universo.

pensamentando-me à sexta-feira

Chutar para canto, a indiferença, é passar a bola para o esquecimento. 
Onde o fair play sai a ganhar.

m.c.s.

Lisboa do meu olhar

foto tukayana.blogspot

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

esperança

Todas as manhãs espreguiço a alma 
ao som do mar a marulhar
neste rio acima do meu navegar
E todas as noites olho a curva do caminho
Por onde hás-de chegar
Desfaço a ruga
Estico a pele
Preparo o sorriso
E os beijos de mel
E abro os braços para te abraçar
Hoje 
a chuva trouxe um recado
tão desejado!
No meu sonho, acordado
...que não entristeça
Um dia
Não sabe qual
talvez aconteça...
Nesse amanhã
as minhas mãos serão o sol 
e a alegria, 
os pés, estrada
E te alcançarei então
Pura emoção,
numa qualquer alvorada.

m.c.s.

músculo

Remar contra a maré pode ser cansativo. Mas cria músculo. Fortalecendo o coração.
Digo eu, que às vezes faço taquicardia.

m.c.s.

um mais cinco ( sentidos )

Sou mais de mim, quando o sexto sentido abraça os outros cinco.
m.c.s.

o Ser

Ser quem sou 
é ter esperança,
nessas ondas 
que me vêm beijar as mãos, 
nesse azul, 
ilusão...
Leve e doce,
abraço forte
a paixão
de te esperar,
Como se restinga fosse,
À beira-mar, 
coração...

m.c.s.

porque navegar é preciso

Desbloquear sentimentos pode significar - Abrir canais, 
que poderá querer dizer - 
Pôr o coração ao largo, Deixar fluir,
Siga a marinha,
O que poderá parecer - A jeito de, 
O que for será. 
Enquanto isso soltam-se as amarras e navega-se ao sabor das ondas, porque navegar é preciso...
Digo eu enquanto me dirijo para casa em noite de sábado, cansadíssima desse hipotético zarpar e enjoada com as calemas da vida.

m.c.s.

por um instante

Hoje eu quero ser 
Eco de qualquer manhã 
Sonhadora, de pés no chão
Guerreira na minha paz
Cor, flor, lilás.
E nas contas com a solidão
Sem precisar de razão
Amar-te...
Foras tu minha oração.
Hoje eu quero ser
Asa livre, presa ao cais
Canto com lágrimas, 
risos e ais
Em total descontentamento
Inquieta e contente
Nessa estranha esquizofrenia
Tranquila e expectante
Profunda mas à flor da pele,
Louca
De tudo ser num dia -
Mulher, menina e amante
céu, água, diamante
Que ao teu mundo se daria
Em troca da suprema alegria
De ser livre de te amar
Ainda que por um instante...

m.c.s.

render o amor

Se pertencemos uns aos outros, no sentimento maior, é porque Deus investiu em nós. 
Então, só temos de acreditar, amar - e fazer render esse Amor.

m.c.s.

sou eu a acreditar-me

Apetece-me acreditar ...
Que não há apenas desencontros.
Nem becos sem saídas. 
Portas fechadas.
Janelas por abrir.
Corações trancados.
Asas quebradas.
Olhos cerrados.
Amores infelizes.
Histórias com estória.
Vazios, ocupantes da memória.
Cruzes e riscos.
Borrachas e mata-borrão.
Pontos finais.
Apetece-me acreditar haver gente que ama (de)mais; 
sendo pouco, 
muito pouco, quase nada, para amar, 
se o amor não for apaixonado, louco, mais que louco, 
poderoso, essencial, arrebatador, ilimitado, vital, 
absurdamente imortal.
Apetece-me acreditar...em mim.

m.c.s.

amor Presente

O amor não (me) morre nunca.
Hoje?!
Ah, hoje...tenho a certeza... 
- não morre...nunca.
O meu amor, 
se acaso morrer, 
( e dúvida houver, )
será amanhã.
Hoje?! Hoje não.

m.c.s.

Respect

Ah, só para que não digam que sou desnaturada...
É que não fosse o meu clube, fossem outros por aí e embandeiravam em arco.
Na Europa, Liga de campeões, uma Vitória sem mão de jesus, nem rezas e manhas e outras artimanhas, que isto não é jogo de bairro, quer dizer, lá da rua. Isto passa as fronteiras desta santa e insignificante ervilha. Vai mais adiante...
Ah, esqueci de dizer que não fico indiferente, mas não ando para comer adeptos de outros clubes numa fatia de pão só porque o meu mostrou com o Atlético e com o Galatasaray que não são jogos a feijões. Mostrou sim, quem é que merece ( até agora ) estar a jogar fora de portas. Com os grandes. 
Porque o Benfica, deixem-se de merdas, o Benfica, esse " f.d.p." cantado e insultado em todos os estádios ressabiados do país, o Benfica é o bicampeão. 
Não foi por acaso que Luisão, o capitão apontou para uma faixa que dizia - Respect. 
Querem mais ou isto chega?
Então ficamos assim. E respect, yeah?!

m.c.s.

amar

Amo.
E amo amar. 
E não há nada que ame tanto como o amor. 
Que me faz amar, amar...

m.c.s.

brincando com o fogo

Não fumo. Mas tenho fogo.
Que às vezes arde
e não se sente.
Outras, 
queima de tão " caliente ".

m.c.s.

dádiva

É na tarde que cai, que me cala fundo, o silêncio que se ergue na noite.
Envolve a terra com o seu manto de luz e palavras por dizer.
Não são precisos gestos. Nem olhares. Ou ecos. 
Acendem-se as estrelas. Ligam-se os planetas. Dançam as constelações. Ao som do divino.
A voz do anoitecer diz tudo d' um poente festivo. 
Um barco no horizonte, um voo de albatroz, cânticos da kianda, lá longe. Do outro lado do mar. Do outro lado do tempo. 
Onde a festa multicor do sol fecundando a terra gera a noite e o luar. Que se prateia dando brilho e magia ao dia que se vai. 
É na tarde que cai que contemplo em exaltação o milagre da vida.
Levanto as mãos ao céu e agradeço de alma e coração tudo o que o Deus me deu.

m.c.s.