sexta-feira, 27 de setembro de 2013

entre palavras

As palavras esconderam-se de mim.
Parece estar a ouvi-las ao longe dizerem, não digas nada...não há palavras, para o que tu queres dizer.
Calo-me então. Acho têm razão. Faltam-me as palavras. Aquelas certas, direitas ao sonho e ao coração. Aquelas que enternecem, sorriem, choram e memorizam. Aquelas que nunca serão esquecidas. Aquelas que calam fundo...
Não digo nada, porque me faltam além das palavras, as vírgulas e os pontos de exclamação. E também as reticências ou um simples ponto de interrogação. 
Falta-me a verdadeira arte para a intenção, para o recado e suposição, para a provocação.
Não dizer nada é quebrar este silêncio da manhã e olhar para trás. 
É lembrar todos os dias, horas e momentos. 
Todas as ilusões e ambições, todos os propósitos de paz. As soluções. 
Acenar ao vento. Colher a rosa do jardim, inspirar o perfume, oferta do mar, observar o voo do passarinho livre, sentir o cheiro da terra orvalhada e mergulhar nas cálidas ondas do azul, verde esmeralda da minha paixão. 
Sorrir ao sol e à lua crescendo. Embalar cansaços e insónias. Abraçar noites de descanso. Receber o colo da amizade e adormecer a minha saudade. Navegar no sonho e acordar manhãs.
Não dizer nada, é, avistar horizontes de suposições e agarrar presentes, sem olhar a promessas. Futuros planeados. Jurados. 
Sortes sorteadas. Acasos. 
As palavras esconderam-se de mim. Fiquei com as mãos cheias de nadas, mente suspensa, coração sentido, alma agradecida e tanto por dizer...
Oiço ao longe repetirem, não digas nada...não há palavras, para o que tu queres dizer. E eu, fico assim, entre palavras...

2 comentários:

apenas umas letras disse...

Olá. as suas palavras estão na escrita, em cada palavra e frase que escreve. E os seus textos são belos. Mas por vezes as palavras escondem-se quando não nos queremos pegar com pessoa X, mesmo quando sabemos que temos razão... não sei se o mote do texto é este.. espero que esteja bem. beijos e continuação de um bom fim de semana

Maria Clara disse...

Não. Não há qualquer intenção ou alvo.
Apenas um deixar correr palavras, tbm prendê-las em mim para que se tornem
entre palavras. :)
Obrigada pela presença mais ou menos constante, Nuno. Você está entre palavras.
Bom fim de semana. Beijos